Será Um Vinho de 2 Mil Anos a Próxima Tendência?

Por 18 novembro, 2016 0 Permalink

Qual a próxima tendência na indústria do vinho? Esta é uma das chamadas “perguntas de um milhão de dólares”, que todos gostariam de saber a resposta.

Atualmente andam em alta os vinhos que privilegiam a fruta (em contraponto ao uso excessivo de madeira que inundou o mercado em um passado recente), que representam a autenticidade de seu terroir (isto é, com intervenção humana mínima para assegurar as características e qualidades próprias de sua origem) e os naturais (orgânicos, bio, etc. que rejeitam a utilização intensiva de elementos químicos no processo produtivo).

E eis que então, olhando para frente, encontro todos estes elementos no passado.

Há 2000 anos os romanos produziam o vinho em talha, cujos métodos de vinificação ainda são preservados na região portuguesa do Alentejo.

SONY DSC

Talhas de barro ao lado de modernos tanques inox de fermentação.

No processo produtivo do vinho em talha o produto da colheita (uvas de vários tipos) são amassadas (ou pisadas) e seguem, geralmente com engaço, para dentro de uma talha de barro na qual acontecerá o processo fermentativo.

Nos meses seguintes o vinhateiro mexerá o conteúdo da talha, misturando o líquido com a parte sólida do mosto. Para controlar a temperatura da fermentação as talhas são umedecidas em sua parte externa ou envoltas com toalhas molhadas, permitindo a rápida troca de calor com o ambiente.

O formato da talha de barro permite que o dióxido de carbono, resultante do processo de fermentação, se acumule na parte superior do recipiente, reduzindo o contato com o ar e, portanto, servindo de isolante para evitar uma oxidação acelerada.

Cerca de 2 meses depois do início da fermentação as partes sólidas estarão acumuladas no fundo do recipiente e o vinhateiro “passa o vinho” para outra vasilha. Isto é, retira o líquido por um orifício no fundo da talha, este processo funciona como uma filtragem natural.

O vinho é colocado em outra talha de barro e recebe uma tampa de barro ou madeira, permitindo alguma oxigenação. Os romanos colocavam ainda uma camada de azeite para impedir o contato do vinho com o ar, mas este expediente não é mais utilizado pelo gosto e aroma que acabam por impregnar o vinho.

Alguns meses mais e o vinho estará no ponto para ser consumido. Com pequenas variações o processo acima descrito é tradicionalmente o mesmo para brancos e tintos, sendo comum a mistura dos dois tipos de uva.

Neste método tradicional não são adicionadas leveduras, enzimas, taninos e muitas vezes sequer anidrido sulfuroso, com pouca intervenção humana.

Quando bem feito, o resultado é um vinho autêntico e vivaz; macio, frutado com acidez vibrante e taninos jovens.

Em dezembro de todos os anos acontecem competições para escolher o melhor vinho de talha, durante as Festas Báquicas Vitifrades na cidade de Vila de Frades, em Beja, Portugal.

É improvável que o vinho de talha venha a ser a próxima tendência da indústria do vinho. A simplicidade (pouca complexidade) deste vinho e as dificuldades logísticas para um produto que deve ser consumido em até 18 meses levam a crer que a resposta para a pergunta de um milhão de dólares feita no início do texto ainda está por vir.

Porém, não deixa de ser curioso que a moda hoje aponte para vinhos com essência semelhante aos que são feitos há mais de 2.000 anos.

Sem comentarios

Deixe uma resposta